Noticias
24-11-2015
Transparense project was presented at the European Utility Week in Vienna on 4 November 2015. The presentation "European EPC Markets and the Code of Conduct as a first step towards harmonisation and...
15-10-2015
Faça o download da nova brochura do Transparense: Towards Transparent Energy Performance Contracting Markets, onde pode encontrar também um resumo dos principais resultados do projecto. Saiba mais...
07-10-2015
O vídeo sobre o Código de de Boas Práticas está finalmente aqui! Assista e fique com um resumo do que o código pode fazer por si, como ele funciona e como se envolver. (O vídeo está em...

Questões financeiras

Pergunta: Uma ESE especializada em AVAC admite que não seria mais competitiva se fosse combinar medidas AVAC com medidas de reforço do envelope do edíficio (ou seja, isolamento do telhado, substituição de janelas, etc), embora estas medidas da envolvente do edifício sejam bastante simples de implementar. Esta é uma visão comum e com razão de ser?

Resposta: Há espaço para ambos os tipos de projetos no mercado, mas se o negócio da ESE é expandir e ser um componente sério nas estratégias nacionais de eficiência energética, tanto AVAC como envolvente do edifício precisam de ser abordadas. No entanto, tendo dito isto, os projetos que também incluem o envelope devem, normalmente, ser calculados e manipulados de forma diferente do ponto de vista financeiro. Embora as medidas de AVAC sejam muitas vezes vistas na perspectiva de pay-off, a construção de medidas sobre o envelope do edificio normalmente precisa ser analisada mais numa perspectiva de depreciação, o que precisa ser acordado com o cliente.

 

Pergunta: Pode um facilitador CDE ser pago pelo sector público, mas depois do contrato ser assinado (cerca de 1 ano depois) este investimento ser pago tanto pela ESE como pelo sector público?

Resposta: Tecnicamente, isto é certamente possível. Neste caso, os custos de facilitação do projeto são incluídos no consurso como um investimento obrigatório no início do projeto. Os concorrentes, têm então que incluir este investimento no seu cálculo.

 

Pergunta: Existe normalmente uma cláusula no contrato entre o cliente e a ESE que estipula que a ESE tem de pagar o custo do facilitador de CDE?

Resposta: Esta é apenas uma simples frase afirmando que a ESE tem que pagar uma certa quantia até um certo ponto no tempo após a assinatura do contrato. De modo geral, é preferível que a ESE pague este valor ao cliente, que depois transfere para o facilitador; porque caso contrário o facilitador precisa tornar-se parte contratual do contrato.

 

Pergunta: Quando um CDE é estabelecido com um Edifício Público, quem deverá efectuar o emprestimo bancário? É a ESE ou o Edifício Público? No caso de ser o Edifício Público, como é o empréstimo securitizado?

Resposta: Usando a República Checa como um exemplo ilustrativo, quando o cliente é do setor público, geralmente o mutuário é o ESE (o fornecedor do CDE). Nesse caso, para titularizar o empréstimo, o banco só precisa da prova da assinatura do contrato de CDE entre as partes. Nenhuma outra garantia é necessária para a dívida. No entanto, o financiamento do projeto CDE não é uma parte obrigatória do projeto. Portanto, o cliente pode também ser o mutuário.

 

Pergunta: Existem garantias específicas para os contratos de CDEs? Se sim, quem as oferece?

Resposta: Usando a República Checa como um exemplo ilustrativo, durante o processo de adjudicação a ESE negoceia com os bancos as condições do contrato e recebe a melhor oferta para o concurso. Quando uma ESE ganha o concurso, o conteúdo do contrato encontra-se em fase de finalização. E os bancos que já estão em fase de negociação das propostas podem dar garantias (promessa) de que a perspectiva de assinatura do contrato será aceitável e suficiente para contrair o empréstimo. Após a assinatura do contrato, a garantia (promessa) do banco é confirmada para a ESE e também para o cliente. Após isso, a instalação das medidas de eficiência energética são financiadas.


Pergunta: Quando é que os custos de um CDE são pagos?

Resposta: Eles só devem ser pagos após a assinatura do contrato entre a ESE e o cliente.